quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Vamos vadiar, professor?! Jogos Teatrais e Ludicidade para Educadores- Uma experiência necessária no Sertão da Ressaca Conquistense

Vamos vadiar, professor?!
Jogos Teatrais e Ludicidade para Educadores-
Uma experiência necessária no Sertão da Ressaca[i] Conquistense
  Por Marcelo Benigno


“É possível negar, se se quiser, quase todas as abstrações: a justiça, a beleza, a verdade, o bem, Deus. É possível negar-se a seriedade, mas não o jogo.
Johan Huizinga - Homo ludens

Foi realizada no mês de setembro, durante as Atividades Curriculares dos Professores da Secretaria Municipal de Educação - SMED­ - de Vitória da Conquista, a Oficina de Jogos Teatrais e Ludicidade para Educadores dos Núcleos de Alfabetização- Segmento do 1º ao 3º ano e Escolas Nucleadas; Núcleo da Diversidade- Professores do EJA; Núcleo Educomunicação- Professores das Salas de Leitura.

Desde que assumi a Coordenação Pedagógica, no Núcleo Educomunicação, junto com Cristina Leilane, na SMED, senti a necessidade de retomar as práticas lúdicas e artísticas nas formações de professores, o que tenho feito a muito, no decorrer da minha trajetória profissional. Atendendo uma demanda grande e, sobretudo, urgente para a Secretaria de Educação e do Núcleo de Alfabetização, que trabalha com crianças em plena fase de desenvolvimento e de jogo, esbocei a oficina e mãos à obra!




Participaram ao todo, 550 professores, sendo que 460 destes eram do Núcleo de Alfabetização de escolas da zona urbana e rural do município.  A organização da oficina foi feita da seguinte forma:

Primeiro Momento- Metodologia para que?! A Coordenação do Núcleo de Alfabetização abria o encontro falando sobre Metodologia, (cada Ac é escolhido um tema para a reflexão junto aos educadores) e logo após, o espaço era destinado a oficina. A mesma dinâmica se repetia a tarde, mas com grupos diferentes de professores, num período de duas semanas. A sala foi paramentada para receber os educadores e compartilhar e estimular um olhar lúdico e possível em sala de aula.

O que mais caracteriza a ludicidade é a experiência de plenitude que ela possibilita a quem a vivencia em seus atos. (LUCKESI)



Segundo Momento- Onde, Quem, O Quê!! Através de slides retomei o conceito de ludicidade, jogo e brincadeira evocando Luckesi e toda a cultura popular para me acudir na busca por uma ludicidade plena e participativa para todos. Piaget e Vygotsky também entraram na roda mostrando que o jogo é fundamental no desenvolvimento do ser humano, e que nós, educadores podemos agir na ZDP- zona de desenvolvimento proximal- para estimular uma aprendizagem lúdica, plena e prazerosa. 


Peter Slade também se fez presente, falando do Jogo Dramático Infantil, brincando de faz de conta como criança, em todas as possibilidades desse jogo projetado ou pessoal, enquanto eu, assumia algumas personas para resignificar o meu jogo/aula/ encenação/ oficina. A cada citação, exemplos práticos, através de depoimentos dos próprios educadores e de pequenos vídeos, eram exibidos para ilustrar tais assertivas, causando admiração do público, como por exemplo, o vídeo de um grupo de cabras brincando de pular numa placa de zinco, num campo verde ou a menininha coreografa e dançarina num jogo de habilidade e plenitude em sua dança seguida por dois adultos.


O jogo dramático é uma parte vital da vida jovem. Não é uma atividade de ócio, mas antes a maneira da criança pensar, comprovar, relaxar, trabalhar, lembrar, ousar, experimentar, criar e absorver. O jogo é na verdade a vida. (grifo meu). A melhor brincadeira teatral infantil só tem lugar onde oportunidade e encorajamento lhe são conscientemente oferecidos por uma mente adulta. Isto é um processo de “nutrição” e não é o mesmo que interferência. É preciso construir a confiança por meio da amizade e criar a atmosfera propícia por meio de consideração e empatia. (PETER SLADE)

A ludicidade é uma área muito grande a ser trabalhada, sobretudo é área de pesquisa e estudos em várias universidades, a saber, a UFBA com o GEPEL - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Ludicidade ligado ao Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faced, o qual tive a alegria de participar e brincar. É engraçado achar que o brincar é só uma distração ou que o artista ou professor brincante é uma mera cigarra cantante enquanto a formiga é a trabalhadeira e previdente da fábula.
Após esta abordagem teórica necessária de contextualização, ora solfejadas por cantigas de roda, textos dramáticos ou brincadeiras populares, vem a parte dos jogos teatrais.


Os jogos teatrais foram sistematizados inicialmente pela educadora americana Viola Spolin e se tornaram uma metodologia eficaz para o trabalho de atores e não atores em vários espaços, públicos e segmentos, inclusive na sala de aula.

Viola Spolin

Livro de Olga Reverbel com Jogos Teatrais na escola.


Augusto Boal em ação no seu Teatro do Oprimido em São Paulo, 1979.

Os Jogos teatrais chegam ao Brasil, nas obras de Viola Spolin, pelas mãos da escritora, tradutora e professora da ECA- USP, Ingrid Koudela, tradutora da obra de Spolin e também, estudiosa na área da didática do teatro e do jogo. Outros ecos brasileiros com as propostas de Olga Reverbel e Augusto Boal, no seu intrigante Teatro do Oprimido, só para citar dois exemplos que gosto muito, e que serão esmiuçados nas próximas etapas desta oficina, são referência no estudo e sistematização do jogo. Outros autores também foram citados e suas obras levadas para a sala de aula no nosso altar da ludicidade, que pode ser conferido, na bibliografia, ao final deste relato.    



Terceiro Momento- Bora Vadiar?! Prática, prática e prática!!Obá!!! Após esta estimulação inicial fomos para a prática, mostrando exemplos com crianças, adolescentes e adultos em estado de jogo em várias situações. Afinal, se a ludicidade é a vivencia da plenitude nas atividades que participamos, vamos nos permitir passar por esta experiência, então?!

O primeiro passo para jogar é sentir liberdade pessoal. Antes e durante o jogo, devemos estar livres. É necessário ser parte do mundo que nos circunda e torná-lo real tocando, vendo, sentindo o seu sabor, e o seu aroma [...]. A liberdade pessoal [...] leva-nos a experimentar e adquirir autoconsciência (autoidentidade) e autoexpressão. (VIOLA SPOLIN)

Sendo filho do teatro, da cultura popular e da criação artística fico inebriado e estimulado com o poder do jogo, da arte e de todos os seus desdobramentos. Em 2010 ministrei na UFBA, como professor Substituto da Escola de Teatro, a disciplina Jogos e Improvisação Teatral para uma turma do BI- Bacharelado Interdisciplinar em Artes, culminando com a montagem resultante do jogo cênico intitulado: Alitrix



Foi uma experiência prazerosa e trabalhosa, com um grupo de estudantes/jogadores ativos e criativos, com uma carga horaria extensa de atividades teóricas e práticas. Até hoje quando encontro Ágata Matos nas ruas do centro de Sampa indo apresentar o musical O Rei Leão; ou Romeran Ribeiro, Marcus Lobo, Marco Kipman, Jessica Andrade, Mirela Gonzalez e Salete Saraiva se jogando em produções, espetáculos e experimentações teatrais na capital baiana, recordamos com alegria esses encontros, jogos, improvisação e cenas surgidos neste processo e os laços que ficaram fora dos papéis definidos naquela ocasião. Afinal, qual o papel do professor em sala de aula?! E do aluno?! Hierarquia na sala de aula/ensaio/arte em pleno século XXI?!



Diário de Bordo- 06/10/2010- BI- ARTES- UFBA
Muito Gato
Começou a aula com uma novidade, a sequência do gato (miauh!!) seria repetida 5 vezes e não mais 3 como vinha sendo (sofrimento). Mas eu completei o exercício. Na aula anterior Benigno tinha pedido que trouxéssemos sugestões para por na caixinha... Saiu cada coisa, meu Deus! Santa criatividade desse povo, algumas rodadas foram interessantes, as vezes era fácil a galera acertar por que as frases eram deles/nossas. A ideia é melhorar a cada dia. Benigno sugeriu um jogo de improvisação com um objeto (meia). Fiz a primeira dupla com Ágata e foi pra mim a melhor cena que eu fiz nesse dia. É preciso pensar rápido, imaginar uma situação que além de gostosa de fazer, que cole com o objeto, e o colega concorde com a ideia. Discutimos sobre a aula, como sempre fazemos, tentamos ver o que foi difícil e fácil de fazer.
Obs: SE JOGA!
Marcus Lobo



Diário de Bordo- 06/10/2010- BI- ARTES-UFBA
Improvisação com frases- Caixinhas
Fizemos várias interpretações. Peguei a tira e pus na cabeça como se fosse meu cabelo, e eu, a imagem de uma santa, mãos póstumas, rezando. Quando Jéssica pega no meu “cabelo”, segundo ela revelou mais tarde, como se admirasse e ao mesmo tempo sentisse inveja. Eu já recebi de outro jeito. A mulher “santa” se sente atraída pela linda jovem que lhe acaricia o cabelo. Um bom exercício da criatividade. A tira de pano virou tantas coisas diferentes! Cada um jogou um significado diferente.
Caixinhas: Onde? Oque? Quem?
Difícil. Demostrar com a expressão do corpo, deixar passar a intenção, o que vai na mente sem falar, ou falar muito pouco. Gostei de fazer uma improvisação com Marcus; aquela do intestino do porco e o presidente do EE.UU. (EUA). Ah, também gostei de fazer o gato e o cachorro brigando por um lugar, esta fiz com Marco. Percebo que fazer de conta que somos coisas ou animais é mais fácil de “entrar e ficar” no jogo.
Salete Saraiva

No ano passado, trabalhei em São Paulo como artista/educador do Ateliê de Teatro da Fábrica de Cultura[ii]- Unidade Jaçanã, com crianças e adolescentes, num semestre inteiro, usando o jogo como estimulador das abordagens educacionais, artísticas e teatrais. Foi mágico e potente usar jogo, não só como estética ou ferramenta, mas como prática metodológica pulsante a todo instante, em todo o processo educativo das oficinas, até a culminância com a apresentação dos jogos/cenas/vivencias para o público, no encerramento do semestre, no TREM DA FÁBRICA.





Nos dois contextos e na Oficina para educadores, o jogo se mostrou potente para a sensibilização do corpo, estimulo da criatividade e ativação desse estado de jogo tão necessário para exploramos uma presença ou fisicalidade indispensáveis a criação, ao conhecimento pessoal e grupal, a descoberta de princípios tão simples e primordiais no processo ensino-aprendizagem para a vida!

Link de um dos momentos da Oficina como os Professores da EJA feito por Joventino;



A Conquista do Jogo- Nos jogos para professores numa sala de aula, o jogo também foi pulsante e contagiou os jogadores e a plateia. Cada turma realizou uma série de jogos que poderão e deverão ser realizados em suas abordagens didáticas e criativas em sala de aula, com uma clientela mais variada possível.

Os jogos teatrais podem trazer o frescor e vitalidade para a sala de aula. As oficinas de jogos teatrais não são designadas como passatempo do currículo, mas sim como complementos para aprendizagem escolar, ampliando a consciência de problemas e ideias fundamentais para o desenvolvimento intelectual dos alunos. (VIOLA SPOLIN)


No jogo todo somos iguais, assim como numa roda popular brincante. No jogo religamos de forma intensa e prazerosa, o que na teoria muito não se faz ou não consegue fazer. Como eu diria para os PHdeuses em suas academias, áreas e pesquisas:  - Venha cá, professora doutora, faça uma atividade lúdica prática conosco e com uma turma nossa de alunos! E a professora doutora lúdica para escapar da prática que lhe falta e que não possui, volta a mais uma citação decorada e/ou equivocada abordando qualquer autor sobre o construtivismo ou a arte no resgate da autoestima do educando... afinal, nem tudo que é dito lúdico para um, é lúdico para outro! Salve, salve Luckesi! Salve, salve A Professora! 
(A Professora é mais uma persona do cavalo que vos escreve como Professor Personagem e Professor Brincante nas suas abordagens artístico-pedagógicas.)



O que ficou desta experiência em nós?  Nesses dias todos de oficina, com tantos educadores participantes poderia destacar muitas coisas, mas o que mais chamou a atenção foi a forma como estes educadores aceitaram o desafio e a proposta para jogar. Foi quase unanime a vontade de vivenciar, na pratica, o que o jogo pode causar em cada um! Que delicia verem eles na blablação ou no jogo das caixinhas se deleitando como crianças. 


É claro que em alguns casos, por todos os preconceitos com a arte, com as ACs, com o incenso (postei na minha rede social o fato ocorrido na oficina de uma educadora desinformada e preconceituosa sobre o uso do incenso na sala) ou com o brincar, dentro e  fora da sala de aula, sobretudo, para uma educação conteudista focada só no letramento codificado na leitura e na escrita de sinais gráficos ou nos índices dos programas nacionais de alfabetização e “medição” da qualidade educação no país, brincar pode ser somente perda de tempo, pois escola é lugar para ler e escrever- NÃO BRINCAR- diria alguns pais e professores desavisados ou tradicionais.


Sou professor e sei de todas as demandas em uma sala de aula, sobretudo, numa sala multisseriada, com vários níveis de aprendizagem juntos! Sei também de toda a demanda que o Núcleo Pedagógico tem, apesar de falarem por aí, que os Coordenadores e no Núcleo não se trabalha, ou pouco se faz. Imagine pra mim que sou Licenciado em Teatro, ator e diretor teatral e brincador popular?! Pausa dramática para a reflexão do lugar do brincar no desenvolvimento humano e da arte na vida de cada um, especialmente desses educadores e educandos!


Mas o que me toca e impulsiona é perceber este encontro feliz e indispensável com a experiência viva da arte, do jogo e da ludicidade com quem está disposto a brincar e tornar esta vivencia forte e potente na sua vida, memória e trabalho.

Comecei a fazer teatro quando criança e Dona Maria Adélia, minha professora primária, soube me estimular no mundo da leitura, da poesia, das artes, da declamação de poemas, numa salinha pequena de uma escola chamada Álvares de Azevedo, lá na Fazenda Xavier, na zona rural do Guigó (distrito de José Gonçalves, em Vitória da Conquista -BA), e Ivonete Oliveira, outra professora, me apresentou o mundo do teatro na igreja. Elas, de certa forma, conduziram e direcionaram o que sou hoje e isso para mim tem uma força incomensurável, e é como me sinto diante de tantas crianças e adolescentes quando estou numa sala de aula sendo professor, sendo artista, ator, brincador!  


Temos sim o poder de estimular essas crianças e jovens ao sucesso ou ao fracasso! Podemos dar asas ou corta-las. Podemos educar para vida como para a escravidão! Registrei esta memória/experiência no espetáculo teatral Entre a Cruz, a Espada e a Estrada – Como nasce um Artista Sertanejo, que compartilho com vocês o fragmento agora:

Eu tinha de 09 para 10 anos quando recebi a “missão”. Haveria um desfile cívico no centro do povoado, onde morava, e os melhores alunos foram indicados para representar a escola. Eu era um deles. Com orgulho e ufanismo infantil estufei meu peito e fui representar minha escola. Mas o destino já brincava comigo. Na frente do pelotão ia o imponente D. Pedro em um cavalo tão alto quanto se podia olhar. Ele era um menino lindo, de uma brancura ímpar, com cabelos curtos e negros, parecendo a versão masculina da Branca de Neve. Todos queriam estar lá, em cima do cavalo. Até eu. Só que o nosso Branco de Neve era tímido. E num passe de mágica, talvez da minha fada madrinha, acabei em cima do cavalo. A banda tocava num ritmo eufórico e frenético, atiçando meu coração. Ivonete, a que me colocou no cavalo, num gesto místico passou-me a espada e pediu que, ao seu sinal, gritasse, com toda minha força o texto. Nunca vou esquecer a sensação, o fogo no rosto, a altura do cavalo, o olhar do público que me acompanhava num cortejo quase medieval. – Vai! Disse ela com um olhar de esperança. Tremendo e apoiando uma das mãos na cabeça da sela, exclamei:
                            “- Forjem as armas soldados! Independência ou morte!!”
Desse dia em diante, nunca mais larguei a minha excalibur e assumi de vez a missão de guerreiro pela arte.


Como no texto teatral continuo acreditando numa educação acessível a todos, com arte, ludicidade, teatro, cultura popular e estripulias, que tire o estudante e o professor de um comodismo ou tradicionalismo imposto que nos enquadram e aprisionam. Podemos nos aprisionar numa prática sem prática só pautada em citações ou títulos adquiridos sem o chão, sangue e poeira encarnada no nosso corpo-discurso, para sustentar uma carreira que não impulsiona sonhos ou asas de ninguém, por estar presa em salas e reuniões obsoletas e burocráticas ou na vaidade e egos dos que se perderam de si próprios na busca dos quallis e lattes da vida... A ironia é que quanto mais se estuda, mais se afasta das pessoas, da realidade, da experiência que são a matéria prima e objeto do aprimoramento e pesquisa, a meu ver.


Nossa intenção é uma educação para libertar e dar foco a toda criatividade viva e pulsante. Quero uma escola que seja um circo de fantasia não de prisão! Acredito em professores brincantes, palhaços, contadores de causos e histórias e vi muitos desses nessa oficina de Jogos e Ludicidade. Aprendemos e nos formamos não só na escola ou academia, mas com a experiência espalhada em todos os grupos que participamos e devemos diariamente resignificar este espaço da escola e entusiasmar por uma educação mais presente e significativa na vida de cada um.


A Oficina de Jogos e Ludicidade para Educadores foi só um pirulito na boca, como disse, para aguçar o gosto doce pelo brincar e arte nas salas de aula, e o resultado foi super positivo e agradou aos educadores, brincantes e jogadores presentes, como registrado na avaliação do encontro.


Agradeço por todos os sorrisos, presença e alegrias desses educadores que brincaram comigo e experienciaram os jogos e o lúdico como metodologia pulsante, necessária, vivificante e possível nas salas de aula, nas comunidades, nas igrejas e na vida.


Continuemos! Mês que vem tem mais!
Por uma educação pautada no indivíduo, na pessoa, na arte e na vida!

MERDA PARA NÓS, SEMPRE!
Evoé, axé, laroyê!!! Experienciemos!

Aprendemos através da experiência, e ninguém ensina nada a ninguém. [...] Se o ambiente permitir, pode-se aprender qualquer coisa, e se o indivíduo permitir, o ambiente lhe ensinará tudo o que ele tem para ensinar. “Talento” ou “falta de talento” tem muito pouco a ver com isso. Devemos reconsiderar o que significa “talento”. É muito possível que o que é chamado comportamento talentoso seja simplesmente uma maior capacidade individual para experienciar. [...] Experienciar é penetrar no ambiente, é envolver-se total e organicamente com ele. (VIOLA SPOLIN) 

PS: Obrigado a Erick, Elisangela, Joventino e Lucinea pelas imagens fotográficas que registraram esta memória lúdica. Valeu mesmo, queridos!




[i] Sertão da Ressaca é uma área localizada no estado da Bahia que originalmente foi doada em 1783 pelo Rei de Portugal ao Capitão-Mor João Gonçalves da Costa, fundador da cidade de Vitória da Conquista, em recompensa pela conquista definitiva daquela região após pacificar e catequizar os índios nativos.
O Sertão da Ressaca se estende do sul, no alto Rio Pardo, até ao norte, no médio Rio das Contas. Ao oeste o limite é o Rio Gavião, da foz até as proximidades da atual cidade de Anagé, ao leste o limite é o começo das terras de vegetação conhecida como "mata de cipó". 

[ii] O Programa Fábricas de Cultura é uma política cultural desenvolvida pelo Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Estado da Cultura e administrado por duas organizações sociais, a Catavento Cultural e Educacional, que gerencia 5 unidades na zona leste da capital paulista (Vila Curuçá, Sapopemba, Itaim Paulista, Parque Belém e Cidade Tiradentes) e a Poiesis, responsável pelas zonas sul (Capão Redondo, Jardim São Luís) e norte (Brasilândia, Vila Nova Cachoeirinha e Jaçanã). O território de atuação das Fábricas de Cultura, 10 distritos da cidade de São Paulo, se caracterizam pelo alto Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ)2, promovido pela Fundação SEADE em 2000. As Fábricas de Cultura são equipamentos de formação e difusão artística e cultural, seu público alvo prioritário são crianças e jovens, entre 08 e 21 anos. São oferecidos ateliês de formação cultural de dança, teatro, circo, música, multimeios, escrita criativa e capoeira, entre outros. Totalizam 10 prédios, com cerca de 7.000 m² cada, que contam estrutura especializada, com salas de aula/ensaio variadas, biblioteca e teatro.


BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA O JOGO

BARBOSA, Ana Mae (org.). Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.
BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação: conflitos/acertos. São Paulo: Max Limonad, 1985.
BARBOSA, Ana Mae. História da arte-educação. São Paulo: Max Limonad, 1986.
BARBOSA, Ana Mae. Inquietações no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002.
BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2002.
BOAL, Augusto. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira: 2004.
BOAL, Augusto. Teatro do oprimido. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2003.
CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva, 2000.
FURTH, Hans G. Piaget na sala de aula. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1999.
JAPIASSU, Ricardo. Metodologia do ensino do teatro. Campinas: Papirus, 2001.
KISHIMOTO, Tizuko M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo, Cortez, 1997.
KOUDELA, Ingrid. Brecht: um jogo de aprendizagem São Paulo: Perspectiva, 2002.
KOUDELA, Ingrid. Jogos teatrais. São Paulo: Perspectiva, 2002.
KOUDELA, Ingrid. O texto e o jogo: uma didática brechtiana. São Paulo: Perspectiva/EDUSP, 2001.
KRAUSE, Gustavo Bernardo. Educação pelo argumento. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky – Aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Editora Scipione, 1995.
OLIVEIRA, Vera B. de. Rituais e brincadeira. Petrópolis: Vozes, 2006.
REVEBEL, Olga. Jogos Teatrais na Escola. São Paulo: Scipione, 2003.
ROSA, Sanny S. Construtivismo e Mudança. São Paulo: Cortez, 2000.
RYNGAERT, Jean Pierre. Jogar, representar. São Paulo: Cosac & Naif, 2009.
RYNGAERT, Jean Pierre. O jogo dramático no meio escolar. Coimbra: Centelho, 1981.
SANTOS, Vera Lúcia Bertoni dos. Brincadeira e conhecimento: do faz-de-conta à representação teatral. Porto Alegre: Medicação, 2002.
SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.
SPOLIN, Viola. Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. São Paulo: Perspectiva, 2008.
SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula: um manual do professor. São Paulo: Perspectiva, 2008.
TAVARES, Renan (Org.). Entre coxias e recreios: recorte da produção carioca sobre o ensino de teatro. São Paulo: Yendis, 2006.
VIGANÓ, Suzana Schmidt. As regras do jogo: A ação sociocultural em teatro e ideal democrático. São Paulo: Hucitec, 2006.
VYGOTSKY, Lev Semenovich. Michael Cole (Org.). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
WINNICOTT, Donald Woods. O brincar e a realidade. Imago Editora Ltda, 1971.
ZEICHNER, Kenneth. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Belo Horizonte:Autêntica, 2003.